Viollet-le-Duc

Viollet-le-Duc

Viollet-le-Duc (1814-1879)

"Restaurar um edifício não é mantê-lo, repará-lo ou refazê-lo, é restabelecê-lo num estado completo que pode nunca ter existido num dado momento."

É com estas palavras que Viollet-le-Duc sintetiza toda a sua polémica teoria acerca do restauro. Ele assume que o restaurador não tem que se preocupar unicamente com o trazer de volta o estado original de determinada obra (neste caso de arquitectura) mas sim restabelecê-la num todo harmónico que se aproxime do todo conceptual que, pelas mais diversas razões, pode nunca ter sido atingido, mesmo no momento da sua construção original.

As suas reconstruções mostram-nos uma Idade Média não exactamente como ela foi , mas como ela deveria ter sido se os artistas e construtores fossem coerentes e não tivessem constrangimentos em levar até ao fim as suas ideias e as suas obras.
Viollet-le-Duc procurava entender um sistema e conceber um modelo ideal, impondo em seguida o esquema idealizado.
Quando visitamos os monumentos emblemáticos da medievalidade francesa (Catedral de Notre-Dame de Paris, Saint-Michelle, Carcassone, Amiens, etc.) estamos a contemplar este ideal que nunca existiu tal como o vemos, mas sem dúvida que é bem mais impressionante assim e o nosso imaginário medieval não seria aquilo que é hoje sem a acção deste homem.

gargulaEugène Emmanuel Viollet-le-Duc (1814-1879) nasceu no seio de uma estável família burguesa. O seu pai era um funcionário público amante de livros e a sua mãe era irmã de Étienne Jean Delécluze, um pintor e crítico de arte formado na escola de David. Assim, a sua casa e a do seu tio eram frequentadas por artistas e intelectuais do seu tempo que desempenharam um papel importante na sua formação intelectual e desenvolvimento profissional.

Apesar de na França a cultura clássica ter um peso considerável no século XIX, pois dominava claramente a estética da arquitectura oficial, o interesse pela Idade Média foi-se progressivamente acentuando, tal como na Alemanha ou Inglaterra, revestindo-a com um carácter nacionalista tão em voga na época.
O estado calamitoso em que estavam alguns dos emblemáticos edifícios medievais franceses no período pós-revolução e o conhecimento mais aprofundado que Viollet teve destes, após viajar pela França nos anos 30 do século XIX, aliado ao despontar do interesse pelo restauro, fez com que ele passados poucos anos já fosse considerado um especialista em restauro e nomeado inspector geral dos edifícios diocesanos o que fez com que participasse na elaboração e avaliação de projectos de restauração, tendo uma influência decisiva sobre muitos desses restauros.
Da sua prolixa obra escrita destacamos o "Dictionnaire Raisonné de l´Architecture Française du XIe au XVIe Siécle" , um legado monumental absolutamente indispensável para compreender a sua obra e a herança que, de forma indelével, povoa a nossa imaginação.

Share this post

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Add your comment

Your name:
Subject:
Comment: