Templo de Debod

Templo de Debod

O templo egípcio de Debod, construído no século II a. C., foi salvo da área inundada pela barragem de Assuão e oferecido à Espanha como tributo aos engenheiros espanhóis envolvidos no projecto. O templo, esculpido com baixos-relevos, está alinhado com duas das suas três portas originais. Situa-se num terreno elevado sobre o rio Manzanares, nos jardins do Parque del Oeste.

 

Templo de Debod

 

O Templo de Debod constitui um dos poucos testemunhos arquitectónicos egípcios completos que podem ser contemplados fora do Egipto e o único destas características existente em Espanha.

Construído no século IV a.C., até há apenas algumas décadas situava-se no sul do Egipto, muito próximo da primeira catarata do Nilo e do grande centro religioso da deusa Ísis, em Filé.
Templo de Debod originalmente.

Em 1961, devido à construção da nova represa de Assuão, as suas pedras foram desmontadas e depositadas na ilha Elefantina até o seu posterior traslado ao porto de Alexandria.

Templo de Debod

Uma vez transferido a Espanha, pedra por pedra, o templo foi exposto a um complicado trabalho de reconstrução e restauração. Estes trabalhos incluíram a instalação no seu interior de ar condicionado quente para criar uma atmosfera seca que se aproximasse do clima de Núbia. Para representar o rio que teve o templo nas suas proximidades, construiu-se um tanque de pouca profundidade que se estende ao longo dos três portais de acesso ao templo. Os trabalhos de reconstrução do monumento tardaram dois anos. O templo foi inaugurado a 20 de Julho de 1972.

info: http://pt.wikipedia.org/wiki/Templo_de_Debod

O Templo de Debod constitui um dos poucos testemunhos arquitectónicos egípcios completos que podem ser contemplados fora do Egipto e o único destas características existente em Espanha.

Construído no século IV a.C., até há apenas algumas décadas situava-se no sul do Egipto, muito próximo da primeira catarata do Nilo e do grande centro religioso da deusa Ísis, em Filé.

Templo de Debod originalmente.

Em 1961, devido à construção da nova represa de Assuão, as suas pedras foram desmontadas e depositadas na ilha Elefantina até o seu posterior traslado ao porto de Alexandria.

Share this post

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Add your comment

Your name:
Subject:
Comment: